quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Vereador Ângelo de Dagmar anuncia saída da base do prefeito para integrar oposição


Na abertura do grande expediente o Vereador Ângelo de Dagmar, nesta quinta-feira, 27 na sessão ordinária da CMA iniciou seu discurso dizendo que a cada dia presencia irregularidades na gestão municipal, afirmando que fica insustentável se manter na base do prefeito municipal, frisando que desde o inicio tem estado na base, afirmando que é da base, mas não faz parte do governo. 

“Infelizmente não tenho mais como continuar na base do governo nesta casa, por isso venho aqui me pronunciar, dizendo que não faço mais parte desse governo e que agora integro a oposição contra o prefeito de Apodi, decisão esta que comuniquei ao próprio prefeito em reunião com ele ontem a noite” afirmou Ângelo de Dagmar.

Ângelo cobrou do executivo como Vereador de oposição a questão da iluminação publica do município, já que reposição de luminárias é de responsabilidade do poder municipal que recebe taxas, no entanto não investe, pedindo da mesa diretora para analisar a lei, e se possível reformular a mesma, sugerindo que esta responsabilidade volte a ser da empresa energética, pois as pessoas estão às escuras.

Recebendo a partes de seus colegas Nilson de João Lucas e Laete Oliveira, que deram as boas vidas com seu ingresso na oposição, o Vereador agradeceu frisando que fará uma oposição sadia, em prol da população de bem.

Ele disse que esta manhã esteve com um funcionário publico do município, que está sofrendo perseguição política, reforçando que viu uma copia do contracheque do mesmo, onde foi retirado um beneficio que lhe é de direito, lembrando que outra irregularidade é a questão de motoristas que estão conduzindo veículos públicos, sem se quer ter habilitação, caracterizando-se como crime administrativo.

“Esse prefeito que prometeu mudar Apodi, não conseguiu, por isso conclamo a sociedade apodiense a realizar uma analise do que mudou, pois nossa cidade está pior do que era antes” disse o Vereador.

Na questão da saúde publica, ele lamentou a falta de medicamento psiquiátrico a mais de um mês para estes pacientes, lamentando tal situação e chamando a atenção para que se tome cuidado, pois não é de estranhar que algum órgão municipal seja incendiado por pessoas que necessitam desse tipo de medicamento estão sem medicamento.

Josenias Freitas

Um comentário:

Anônimo disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKK vai sai kkkkkkkkkkk e quando é que ele esteve kkkkkkkkkkkk sabe de nada inocente kkkkkkkkkkkkkk