sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Jornal GAZETA DO OESTE de Mossoró denuncia: “Apodi uma cidade suja”


APODI – Uma cidade suja. Assim o município tem sido conhecido não só por seus moradores, mas também por pessoas de outras localidades que passam pela cidade oestana. Um levantamento feito pela reportagem da GAZETA DO OESTE constatou o acúmulo de lixo em seis bairros distintos de Apodi. “Apodi é hoje a cidade mais suja do Rio Grande do Norte”, disse um morador, que preferiu não se identificar temendo represálias por parte do prefeito Flaviano Monteiro. “Nós não podemos nem reclamar porque esse prefeito é perseguidor”, revela o morador ao jornal.

Dentro do levantamento feito pela reportagem, chegou-se ao número de nove lixões espalhados por diversas localidades do município oestano.

Na Chapada do Apodi, dois lixões foram identificados, sendo que um é voltado para o lixo hospitalar e o pior: despejado a céu aberto sem a existência de fiscalização ou controle por parte das autoridades sanitárias e ambientais do município. O outro lixão na Chapada do Apodi vem contribuindo para a destruição da imagem do turismo em nível de região. “Com tanto lixo jogado em nosso distrito de Soledade, nós, os moradores, não sabemos mais a quem apelar”, desabafou um morador da comunidade, frisando que chegou buscar amparo na Prefeitura de Apodi, no entanto, não obteve qualquer sinal ou interesse do Executivo em solucionar o problema.

Na baixa do Caic, a prática esportiva e de lazer que deveria ser estimulada pela Prefeitura de Apodi é impedida pelo acúmulo de lixo no campo de futebol localizado no bairro. No bairro IPE também foi verificado o acúmulo de lixo. O humilde bairro da Garilândia não é diferente dos demais. O lixo toma conta das ruas e, apesar dos insistentes apelos feitos pelos moradores, a municipalidade não toma providências.

No bairro Cruz das Almas, a reportagem constatou o sexto lixão, sendo que, neste bairro, o acúmulo de dejetos acontece dentro uma lagoa aterrada, fato esse que com a possibilidade de inverno pode acarretar em diversos problemas, sobretudo em relação à saúde pública. No distrito rural de Melancias, a realidade não se diferencia dos demais bairros ou localidades apodienses. Muitos lixos e dejetos se acumulam nas vias do deixando qualquer visitante com péssima impressão sobre a cidade, chegando a pensar que não existe administração municipal em Apodi.

Considerada um dos principais cartões-postais da cidade, a Lagoa de Apodi sofre com a falta de atenção do Poder Executivo apodiense no que se refere aos serviços básicos como é o caso da coleta de lixo. E como não poderia ser diferente, o centro de Apodi reflete o que tem sido vislumbrado em todos os bairros, distritos e localidades do município. “Já se tentou, por diversas formas, buscar uma solução, mas o que encontramos é a indiferença daqueles que até bem pouco tempo atrás se apresentava como o salvador da pátria e a solução para todos os problemas de Apodi. Existe uma preocupação maior com a proximidade do inverno já que as chuvas espalhariam o lixo pelas ruas e também o carnaval, período em que nossa cidade recebe muitos visitantes. É uma situação lamentável”, disse uma moradora em conversa com a reportagem da GAZETA DO OESTE.

Um comentário:

Anônimo disse...

Dói tanto assim ser oposição... Kkkkkkk