quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Universitários, vereadores, e executivo discutem problemática do transporte universitário.

Presidente da AENTES, Givaldo 

equipe executiva e universitários
O presidente da AENTES Givaldo usou a tribuna para falar novamente da situação dos universitários, que se encontram sem ônibus e boa parte já perdeu uma semana de aula e a classe está sendo prejudicada pela falta do transporte, os mesmos pedem o cumprimento da lei que garante a gratuidade.

O presidente da câmara João Evangelista parabenizou a luta da classe e disse que esse problema tem que ser resolvido imediatamente pois os mesmos não podem se prejudicar.
O vereador Laete Oliveira falou que o único responsável pelo problema é o prefeito do município Flaviano Monteiro, pois ele é quem tem o poder legítimo, o vereador ainda pediu ao vice prefeito que estava presente na casa legislativa que resolvesse o problema, e disse que confiava que o vice prefeito resolveria o problema ainda hoje.

Júnior Souza foi bem direto e disse que se sente triste em ver essa situação, direcionou ao vice prefeito o apelo dos universitários, e disse que a lei criada pelo  própro prefeito tem que ser cumprida, enquanto a nova proposta de lei não for apresentada a lei do projeto transformação tem que ser cumprida.


O vereador Genivan Varela afirmou que amanhã a nova lei estará sendo apresentada aos universitários, e cobrou o cadastramento dos universitários na ação social, disse ainda que terça feira a nova lei estará sendo enviada a câmara municipal para discussão .

O vereador Ângelo Suassuna afirmou que as medidas tomadas pelo executivo atrasará o processo e disse que os universitários sofrerá penalidade por conta do impasse do executivo municipal, o vereador reafirmou o compromisso co os universitários, lembrou ainda que o orçamento já foi aprovado e que o prefeito já tem o poder de contratar esses ônibus para sanar o problema, o vereador ainda lembrou que o prefeito foi quem criou a lei, 

A vereadora Hortência Regalado disse que é triste iniciar o ano com mais essa problematica, disse que o discurso apresentado pelo executivo não é verdadeiro, que o legislativo e o executivo não caminha em armonia, a vereadora lembrou que já foi usuária dos transportes, e sabe das dificuldades, a vereadora clamou o cumprimento da lei, e disse que a câmara municipal sempre esteve a disposição dos universitários, e afirmou que a falta de planejamento permanece na atual gestão, a vereadora ainda disse que a nova lei só será aprovada por ela se for da vontade dos universitários, e disse que ninguém tem o direito de tirar os sonhos e as conquistas dos universitários.

O vereador Chico de Marinete falou da dificuldade de contratar os ônibus, e reclamou das denúncias feitas de super lotação feita no final do ano passado e ainda disse que esse problema sempre existiu em Apodi, o vereador cobrou novamente o cadastramento na ação social, e recebeu algumas vaias, o mesmo se defendeu dizendo que é preciso regularizar essa situação.

O vereador Nilson Fernandes disse que é lamentável a situação,e afirmou que o problema é a falta de planejamento, e disse que se a nova lei beneficiar apenas uns e outros não, os mesmo não será favorável, e disse que não adianta chorar pelo leito reclamado, que a lei terá que ser cumprida.

O representante da ação social João Francisco começou falando que é um defensor da classe universitária, e disse que o debate não deveria está sendo feito do jeito que está, e disse ainda que a lei tem que está sendo modificada, e disse que o levantamento de dados tem que ser feito, embora muitos universitários sejam contrários a esse tipo de cadastro, cobrou o cadastro a cada semestre.

O estudante Bruno fez uso da tribuna e disse que só vê muita enrolação, e disse que a casa legislativa não está fazendo nada de concreto, disse que não concorda em vereador afirmar que fazer denuncias é errado, pois os mesmos estão colocando a vida dos estudantes em risco, o mesmo ainda disse que o executivo está fazendo os universitários de palhaços, o mesmo ainda disse que a lei foi criada por poucos, e os mais interessados tinham que ser ouvidos

O vice prefeito José Maria participou do debate e disse que precisam encontrar o melhor caminho para sanar esse problema, o mesmo convidou os estudantes ao nível de discutir o problema, José Maria afirmou que a classe precisam se organizar para melhor lutar pela coletividade, o mesmo disse que sente-se a vontade de vir a câmara e discutir o programa, pois segundo ele o que eles prometeram está sendo cumprido, o mesmo disse que os estudantes estão buscando a individualidade, e disse que a AENTES precisa melhorar sua organização,o vice prefeito disse estar a disposição dos universitários.

Evangelista disse que o que o estudante Bruno disse não é verdadeiro, pois a câmara sempre esteve a disposição, e buscou apoiar os universitários, disse que não pode ultrapassar o seu poder, disse ainda que o mesmo estudante não cumpriu com a obrigação de trazer uma relação com uma lista de 10 alunos prejudicados, o presidente disse que a câmara continuará defendendo a classe.

O vereador Laete, disse que o executivo tem o dever de executar a lei e resolver o problema, urgente, o vice prefeito José Maria não gostou do que o mesmo disse e rebateu dizendo que no serviço público, não é tão fácil, e tão rápido pois os trâmites não permitem essa agilidade, o vereador Laete disse que o município tem que se planejar, o vice prefeito sugeriu que na sexta 16, se faça uma reunião para se sair de lá com um resultado.

Givaldo presidente da associação se desculpou em nome da associação, e disse que a associação sempre teve o apoio da câmara, o jovem falou que os estudantes precisam se unir para melhor ter uma organização, e lutar por seus direitos e discutirem um programa que atenda a classe de acordo com as condições do município, prevendo os problemas futuros, pediu ainda o estudo do novo projeto junto com a classe, e agradeceu a atenção de todos.

Amanhã sexta 16, haverá uma reunião entre executivo, classe estudantil e legislativo.

Emerson Medeiros-Da Redação



Um comentário:

Adailton Tôrres Filho disse...

A Constituição é a Lei maior da Nação, é a Carta Magna, mas até ela é constantemente modificada para se adequar a Sociedade. Todos sabemos, que o Projeto Transformação é uma Lei aprovada e sancionada, mas pode ser adequada a qualquer tempo. Eu sugiro que a Prefeitura repasse a importância devida ao Projeto para a AENTS a fim de que a entidade Universitária possa administrar tais recursos em prol dos estudantes ao mesmo modo que é feito para a APAMI